Alguns papagaios são altruístas?

Alguns papagaios são altruístas?

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Os seres humanos e alguns outros mamíferos se destacam entre os animais, mostrando bondade e ajudando outros indivíduos necessitados. Mas os pássaros também demonstram altruísmo? A resposta é “sim” – pelo menos no caso do papagaio-cinzento.

O altruísmo – o ato de oferecer ajuda a alguém em necessidade, mesmo que não o beneficie – é uma qualidade da qual os humanos se orgulham ao longo dos tempos.

No entanto, não somos os únicos no reino animal que podem demonstrar abnegação. Outros mamíferos – incluindo lobos, bonobos e baleias jubarte – também são hábeis em ajudar outros membros de sua espécie quando são chamados a fazê-lo.

Agora, Désirée Brucks e Auguste von Bayern, do Instituto de Ornitologia Max Planck, em Seewiesen, Alemanha, realizaram pesquisas que sugerem que indivíduos de uma espécie de papagaio também demonstram a capacidade de serem altruístas.

Os resultados – que aparecem em Biologia Atual – coloque o papagaio cinza africano no centro das atenções.

Papagaios cinzentos africanos mostram altruísmo

Em seu estudo, os pesquisadores trabalharam não apenas com papagaios cinzentos africanos – nativos de regiões da África equatorial – mas também com araras de cabeça azul, seus “primos” sul-americanos.

Brucks e von Bayern treinaram oito papagaios-cinzentos e seis araras de cabeça azul, observando em seu estudo que ambas as espécies são notáveis ​​graças à sua inteligência.

O primeiro passo do experimento foi ensinar todos os papagaios a dar um token ao pesquisador, em troca do qual eles receberiam uma noz como recompensa.

Logo, todos os pássaros haviam aprendido o truque – entregar uma ficha, receber uma noz. Em seguida, os investigadores queriam ver se estariam tão ansiosos para ajudar um parceiro a receber a recompensa quanto eles mesmos.

Leia Também  Encontrar o significado da vida pode nos manter saudáveis ​​à medida que envelhecemos

Para esse fim, Brucks e von Bayern abrigavam pares de papagaios da mesma espécie em uma câmara especialmente construída que os separava um do outro e do pesquisador, com pequenas aberturas para acesso e comunicação.

Os pesquisadores deram a um papagaio os tokens, mas não havia como entregá-los ao pesquisador para obter as nozes. O outro papagaio, por outro lado, podia alcançar o pesquisador, mas não tinha fichas para oferecer em troca das nozes.

Em cada caso, o papagaio sem token sinalizaria para seu parceiro, pedindo ajuda. A pergunta era, é claro: o papagaio com os tokens os entregaria ao papagaio sem token, sabendo que somente o outro papagaio seria capaz de reivindicar a recompensa?

Acontece que as araras de cabeça azul não estavam nem um pouco ansiosas para se ajudar. Como o papagaio com as fichas não seria capaz de reivindicar nenhuma noz, nem seu parceiro.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Não foi esse o caso dos papagaios cinzentos africanos. Sete dos oito papagaios cinzentos africanos envolvidos escolheram ajudar seu parceiro, dando-lhes fichas para que pudessem reivindicar as nozes.

Além disso, quando os pesquisadores reverteram os papéis dos papagaios cinzentos africanos, os que agora detinham os tokens ficaram felizes em compartilhá-los com os parceiros que anteriormente os ajudaram. Esta descoberta, argumentam os pesquisadores, sugere que esses papagaios podem até ter algum entendimento de reciprocidade.

Brucks e von Bayern ficaram ainda mais impressionados com o fato de os papagaios cinzentos africanos terem escolhido ajudar um ao outro, mesmo que não estivessem relacionados ao indivíduo com o qual os pesquisadores os haviam emparelhado.

Isso sugere ainda que indivíduos dessa espécie simplesmente se sentem motivados a se ajudar, independentemente de seu relacionamento, o que é incomum. Os pesquisadores explicam que, normalmente, os animais têm muito mais probabilidade de ajudar indivíduos relacionados e não sentem motivação para ajudar aqueles com quem não têm relacionamento.

Leia Também  Escassez de doadores e transplantes de órgãos do COVID-19

Em contraste, as araras de cabeça azul persistiram em demonstrar egoísmo, mesmo em outros experimentos. Por exemplo, quando os pesquisadores ofereceram aos pássaros uma tigela de comida da qual todos deveriam se alimentar, o indivíduo dominante do grupo arrastou a tigela para longe dos outros pássaros, para garantir que eles não pudessem acessá-lo.

Por que os membros de duas espécies inteligentes de pássaros agem de maneira tão diferente? Os pesquisadores permanecem inseguros, mas eles levantam a hipótese de que isso pode ser causado pelo fato de organizarem seus grupos sociais de maneiras diferentes. No documento do estudo, Brucks e von Bayern escrevem:

As diferenças específicas da espécie na tolerância social, em particular no contexto alimentar, podem ser responsáveis ​​pela variação de comportamentos pró-sociais entre as espécies de papagaios “.

Papagaios cinzentos africanos vivem em grandes bandos cujos membros mudam continuamente, enquanto as araras de cabeça azul gostam de se organizar em grupos menores com hierarquias mais rígidas.

Os pesquisadores gostariam de aprender mais sobre o porquê dos pássaros agirem da maneira que agem. Há, no entanto, uma certa dificuldade em estudar o comportamento natural das aves na natureza. De acordo com dados da União Internacional para a Conservação da Natureza, o status da arara-azul é “vulnerável”, com populações diminuindo rapidamente na natureza, e os especialistas agora consideram o papagaio-cinzento-africano como uma espécie em extinção.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Rolar para cima