Mentiras espalhadas nas vacinas de obstáculos nas redes sociais

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Por Steven Reinberg
HealthDay Reporter

SEXTA-FEIRA, 30 de outubro de 2020 (HealthDay News) – Campanhas estrangeiras de desinformação nas redes sociais fizeram com que as taxas de vacinação caíssem, revela um novo estudo.

Cada aumento de 1 ponto no esforço para desacreditar as vacinas está relacionado a uma queda média de 2% na cobertura vacinal anual em todo o mundo e a um aumento de 15% nos tweets negativos sobre vacinação, descobriram os pesquisadores.

No ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) listou a relutância ou recusa em ser vacinado por questões de segurança como uma das 10 principais ameaças à saúde mundial.

A proliferação de mensagens “antivaxx” nas redes sociais é uma preocupação de saúde pública porque a vacinação é uma forma chave de sair da pandemia do coronavírus, observaram os pesquisadores.

Para avaliar o efeito do uso da mídia social e das campanhas de desinformação estrangeiras sobre as vacinas, os pesquisadores analisaram a atividade da mídia social em até 190 países.

Eles também usaram dados de pesquisas nacionais sobre as atitudes públicas em relação à segurança da vacinação e as taxas de vacinação para as 10 vacinas mais comumente relatadas entre 2008 e 2018.

A análise revelou que a prevalência da atividade de desinformação estrangeira foi “altamente estatisticamente e substantivamente significativa” na previsão de uma queda nas taxas de vacinação.

Um aumento de um ponto em uma escala de desinformação de cinco pontos foi amarrado com uma queda média anual de 2% na taxa de vacinação e uma queda de 12% ao longo da década. A crença de que as vacinas não são seguras estava ligada à organização da resistência nas redes sociais. Quanto mais organizada for a resistência, maior será a convicção de que as vacinas não são seguras.

Leia Também  Pacientes com melanoma preto enfrentam atrasos no tratamento

A desinformação estrangeira aumentou o número de tweets negativos sobre a vacina em 15%.

“O uso de mídias sociais para organizar ações offline está altamente associado a um aumento na crença pública de que as vacinas não são seguras”, escreveram os pesquisadores.

As descobertas sugerem que combater a desinformação e a desinformação é fundamental para reverter o aumento da hesitação vacinal em todo o mundo.

“Essas descobertas são especialmente salientes no contexto da pandemia COVID-19, dado que as vacinas em desenvolvimento exigirão distribuição global para bilhões de pessoas no próximo ano”, escreveram os pesquisadores.

“Pedimos aos formuladores de políticas que tomem um tempo antes que uma vacina COVID-19 esteja disponível para distribuição em massa como uma oportunidade de ação contra os fatores da mídia social que contribuem para a hesitação da vacina”.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Os resultados foram recentemente publicados online no jornal BMJ Global Health. Steven Lloyd Wilson, professor assistente de política na Brandeis University em Waltham, Massachusetts, foi o autor principal.

Mais Informações

Para mais informações sobre o movimento antivacinas, visite os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

FONTE: BMJ, comunicado à imprensa, 22 de outubro de 2020



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Rolar para cima