Para ratos, a empatia pode ser uma estratégia de sobrevivência

Para ratos, a empatia pode ser uma estratégia de sobrevivência

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Novas pesquisas sugerem que as experiências de um rato podem atuar como um sistema de alerta precoce para seus companheiros roedores.

ratos mastigando livrosCompartilhar no Pinterest
Novas pesquisas lançam luz sobre o mecanismo da empatia em ratos.

Empatia é a capacidade de entender as experiências emocionais de outras pessoas. Normalmente, pensamos na empatia como uma qualidade nobre que nos relacionamos com a compaixão.

No entanto, um novo estudo do Instituto Holandês de Neurociência de Amsterdã sugere que, para ratos, ser capaz de detectar os sentimentos de outras pessoas pode ser uma ferramenta vital de sobrevivência.

"O que nossos dados sugerem é que um observador compartilha as emoções de outros porque permite que ele se prepare para o perigo. Não se trata de ajudar a vítima, mas de evitar (se tornar) uma vítima. "

Valeria Gazzola, autora sênior

A pesquisa sugere que a empatia diz a um rato o que está por vir; o medo ou a dor de outro rato podem servir como um alerta precoce, enquanto a felicidade deles pode sugerir o "tudo claro".

A nova pesquisa aparece na revista PLoS Biology.

Os experimentos

Os autores do estudo examinaram a empatia em uma série de experimentos e tiraram várias conclusões sobre a maneira pela qual a empatia por roedores funciona.

Os pesquisadores também estavam interessados ​​em verificar os fatores que podem criar uma maior empatia.

Os experimentos posicionaram pares de ratos frente a frente. Os cientistas designaram um roedor como "manifestante" e o outro como "observador" ou "espectador".

Em cada rodada, o manifestante se assustava com a breve aplicação de corrente elétrica nas patas dianteiras, enquanto o observador observava.

"A primeira coisa que você vê é que, ao testemunhar seu salto vizinho, o espectador de repente parece assustado também. O espectador pega o medo do manifestante", de acordo com o autor Rune Bruls.

Leia Também  Novo estudo apoia a redução da idade da primeira colonoscopia
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

"O medo apenas pula de um rato para outro", acrescenta Bruls, e o medo também recua. Os pesquisadores viram que a reação do observador também afetou os sentimentos do manifestante sobre a corrente elétrica.

A sugestão é que o nível de medo do observador forneça uma pista para o manifestante – o rato que havia experimentado o choque em primeira mão – como se sentir.

Se o observador não parecia assustado, o manifestante também não. Se o observador estava aterrorizado, o manifestante também.

Como a familiaridade, a experiência afeta a empatia

As pessoas podem supor que, quanto mais próximas estiverem das outras, mais facilmente haverá empatia. Acontece que esse não é o caso, pelo menos para ratos.

Ao comparar as respostas empáticas de ratos que nunca haviam se encontrado antes com outros pares que dividiam o espaço por cinco semanas, não havia diferença na velocidade ou intensidade do contágio emocional, segundo os autores do artigo.

Gazzola considera esse achado como um suporte à hipótese da empatia pela sobrevivência: se a sobrevivência é a principal preocupação de um rato, a familiaridade relativa de um parceiro teria pouca importância.

Um fator que teve impacto na resposta empática foi a experiência anterior de um observador com choques elétricos.

Observadores não familiarizados com a experiência tiveram menor probabilidade de reagir à situação de um manifestante em grande parte.

Efe Soyman, outro dos autores do estudo, sugere: "Os ratos são como seres humanos: quanto mais nossas experiências coincidem com as das pessoas que observamos, mais podemos ter empatia com o que elas sentem. É preciso conhecer uma!"

Ratos vs. humanos

A equipe de pesquisa foi capaz de usar os experimentos com ratos para estabelecer uma conexão com a área do cérebro que os cientistas associam à empatia em humanos, chamada córtex cingulado anterior (ACC).

Leia Também  O novo coronavírus: o que fazemos e o que não sabemos - Harvard Health Blog

Para verificar se o ACC dos ratos estava igualmente envolvido na empatia, os pesquisadores introduziram um medicamento que reduz temporariamente a atividade na área.

"O que observamos", diz o professor Christian Keysers, principal autor do estudo, "foi impressionante".

"Sem a região que os humanos usam para ter empatia, os ratos não eram mais sensíveis à angústia de um colega rato. Nossa sensibilidade às emoções dos outros é, portanto, talvez mais semelhante à do rato do que muitos podem ter pensado. "

Christian Keysers

Afinal, os ratos não são as únicas espécies que querem e precisam sobreviver.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br
Rolar para cima